O Bom pastor e seus comentários

O Bom pastor e seus comentários

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

A Assembléia de Westminster - 12/06/1643 a 1648




Convocação:
A Assembléia foi convocada para aconselhar o Parlamento sobre a reestruturação da Igreja da Inglaterra em linhas puritanas.
A Assembléia foi convocada em 12 de junho de 1.643, terminando seus trabalhos regulares em 1.648. Contudo só foi oficialmente dissolvida em 1.652 (Cairns)(1) .
A princípio, seu objetivo era:
1. Reformar a liturgia, disciplina e governo da Igreja da Inglaterra.
2. Promover a Unidade da Igreja com a Escócia e o Continente.
3. Revisar e clarificar os 39 artigos da Igreja Anglicana (o que foi feito até o 15º artigo somente).

Membros:
121 ministros; 10 membros da Casa dos Lordes; 20 da Casa dos Comuns e 8 representantes da Escócia (alguns falam de 6 – 4 pastores e 2 presbíteros).
A participação escocesa se deu graças ao tratado da “Liga e Aliança Solene”, assinado em setembro de 1643, pelo qual o Parlamento se obrigava a manter e defender a Igreja Presbiteriana da Escócia e a reformar a Igreja da Inglaterra e da Irlanda em sua doutrina, governo, culto e disciplina de acordo com a Palavra de Deus. Os escoceses não tinham direito a voto, mas poderiam falar no plenário. “Eles exerceram uma influência desproporcional ao seu número”(2) .

I. Contexto.
Carlos I tentou impor o episcopalismo e o Livro de Oração Comum na Escócia após
1640. A Escócia se revoltou, forçando o monarca a convocar o Parlamento, que ele mesmo havia abolido alguns anos antes, com a finalidade de obter fundos para financiar a guerra e aumentar os impostos.
Os puritanos ingleses já haviam pedido uma reforma em termos presbiterianos por duas vezes. Um parlamentar “remonstrante” também havia feito uma petição por uma assembléia a Carlos I.
O Parlamento “Longo” (somente dissolvido em 1660), se opunha às reformas catolicizantes do Arcebispo William Laud e precisou da ajuda dos escoceses para derrotá-lo. Em Setembro de 1643, assinou-se o tratado da “Liga e Aliança Solene”, que em 02/1644 foi imposto a todos os ingleses com mais de 18 anos. O Tratado previa:
1. Manter a religião reformada na Escócia.
2. Unificar a religião na Irlanda, Escócia e Inglaterra.
3. Extirpar o papismo dos prelados.
Os debates foram sempre marcados por constante tensão entre as várias partes eclesiásticas representantes (presbiterianos de várias estirpes; independentes e erastianos).

II. Documentos.

1. A Confissão de Fé.
A Confissão de Fé foi completada em 1646. Ela é caracterizada por sua minuciosidade, precisão, concisão e equilíbrio nas sua afirmações. Composta de 33 capítulos subdivididos em sessões com textos de referência.
Características:
a) Ênfase nas Escrituras como regra de fé e prática – cap. I.
b) A doutrina da predestinação – cap. III, V, IX e XVIII.
c) A aliança como o modo de Deus relacionar-se com o seu povo – cap. VII.
d) A redenção – Ressalta o equilíbrio entre as alianças, e entre a Soberania de Deus e a responsabilidade humana – cap. X a XVII.
e) A afirmação vigorosa da certeza da salvação – cap. XVIII.
f) A obediência à Lei de Deus associada à liberdade de consciência – cap. XIX e XX.
g) Inclusão do conceito puritano do dia do Senhor.
h) A primeira distinção clara entre Igreja visível e invisível – cap. XXV.

2. O Diretório do Culto(3) .
Aprovado pelo Parlamento em janeiro de 1645. Seu objetivo era “produzir mais uniformidade na adoração pública”. Seu ponto mais importante e também o mais polêmico foi o princípio regulador do culto. Só seria aceito no culto aquilo que era prescrito ou necessariamente deduzido nas Escrituras.
Contém instruções gerais mais que um conjunto de formas rígidas de culto. O culto Principal consiste em:
 Orações.
 2 lições.
 Salmos.
 Um sermão.

Santa comunhão após o sermão da manhã, com o povo sentado em torno da santa mesa.
Instruções sobre: A forma do batismo; visitação dos doentes; Forma de casamento e ofícios fúnebres (este último sem cerimônias); abolição das festas semanais (durante a semana).

3. A Forma de Governo Eclesiástico. (10/02/1645).
1. Distinção entre pastores, ensinadores, doutores e diáconos.
2.A ordenação dos ministros da Palavra somente pelo Presbitério.

4. Os Catecismos Maior e Breve.
O Catecismo Maior, aprovado em 1648, foi projetado para a exposição no púlpito. Ele
não foi muito apreciado, recebendo muitas vezes a alcunha de ser legalista.

O Catecismo Menor, aprovado em 1647, foi projetado para a instrução de crianças. Ambos seguiram o mesmo padrão de organização:
1. Aquilo que devemos crer a respeito de Deus.
2. O dever que Deus requer de nós.
a) Faz uma recapitulação da CFW sobre a natureza de Deus.
b)Segunda parte:
 Exposição do Decálogo.
 A doutrina da fé e do arrependimento.
 Os meios de graça (A Palavra; Os Sacramentos; A oração; A oração Dominical).

III. Motivos do Fracasso.
Latourette aponta três causas:
1. O governo autoritário exercido por uma minoria.
2. A morte de Cromwell (1658) – seu filho Ricardo não tinha a mesma capacidade dele.
3. Carlos II, que assumiu o trono de seu pai, aborrecia os presbiterianos e extremistas.
 Decretou o Ato de Uniformidade.
 Determinou uma revisão dos 39 Artigos de forma a desagradar os presbiterianos.

---------------------
(1) J. M. Frame afirma que ela nunca foi oficialmente encerrada. (Confissão de Fé de Westminster, Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã vol. I, p. 331,332)
(2) Alderi S. Matos, Apostila do Curso Movimento Reformado, p.12 (material não publicado).
(3) Publicado em português pela Editora Os Puritanos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...