O Bom pastor e seus comentários

O Bom pastor e seus comentários

terça-feira, 22 de junho de 2010

Apocalipse 1.9-20 = O Cuidado de Cristo Por Suas Ovelhas



Texto: Apocalipse 1.9-20.
Tema: Apocalipse: O Cuidado de Cristo Por Suas Ovelhas.
Data: 12/09/1999.
-----------------------------------------------------------

Introdução:
Talvez, uma das chaves para se entender o livro de Apocalipse seja o que o próprio Senhor Jesus fala a João no v.19. Apocalipse é uma mensagem revelatória escrita sobre o passado, o presente e o futuro. É uma Revelação profética. O que significa mesmo Profecia?
Profecia para muitos está estritamente relacionada com a descoberta do futuro para o presente, mas ao observamos com mais atenção o texto bíblico, especialmente o AT, vamos perceber que a profecia era algo muito mais abrangente. Profecia, na Bíblia é:
1. Uma mensagem recebida diretamente de Deus. A origem divina da mensagem é o peso que desequilibra qualquer pretensão de manipulação, pois, ela estará em consonância com a revelação já escrita de deus nas Escrituras. Profetizar de tal forma a fugir da responsabilidade de observar e obedecer as Escrituras era um pecado castigado com a morte por apedrejamento em praça pública. O centro da profecia é o testemunho de Deus, muito mais que a satisfação de nossas curiosidades quanto ao futuro, seja próximo ou mais distante.
2. Uma mensagem que aponta para a vinda final de Jesus Cristo. Assim como o Antigo Testamento apontava insistentemente para Jesus Cristo, o Apocalipse faz o mesmo. Jesus está chegando, e o texto se ocupa com ações relacionadas a esse evento, sem dar atenção a particularidades.
3. Uma mensagem que chama ao arrependimento. Essa é uma das principais características da profecia e do ministério dos profetas. O profeta fala ao presente buscando o ensinamento de Deus no passado visando o arrependimento, advertindo quanto ao futuro, quando Deus punirá ou galardoará nossos atos do presente. “Profecia fala do futuro como conseqüência da vida do povo no presente” (Rev. João Cesário L. Ferreira).

Portanto, quando João escreve às Igrejas, sua mensagem visa advertir e consolar; moldar e transformar situações de acordo com a palavra que será gravada com letras e enviada para obediência às Igrejas. João escreve uma Mensagem que visa modificar comportamentos e consolar aos que lutar por permanecerem fiéis no campo de batalha da fé.

Proposição:
Jesus não somente governa soberano, mas também cuida pastoralmente de suas Igrejas. Como Ele vai fazer isso?

I. JESUS CONSOLA AS IGREJAS EM SUAS TRIBULAÇÕES
v. 9-11,17.

João recebe uma mensagem para o seu contexto.
a) Ele é companheiro das Igrejas.
 Na tribulação.
 No reino.
 Na perseverança.

b) Ele atravessa um período de grande sofrimento.
 Exilado na Ilha de Patmos “por causa da Palavra de Deus e do testemunho de Jesus Cristo”.
O zelo pela palavra e a pregação do Evangelho sempre serão acompanhados pela oposição daqueles que amam a sua vida no mundo mais do que a Deus..

c) Ele tem medo.
Quando Cristo diz “não temas” assegura que a sua presença é muito mais acolhedora para a Igreja que aterradora. Seu propósito é cuidar pastoralmente de suas Igrejas, não destruí-las.

II. JESUS PASTOREIA AS SUAS IGREJAS v.12,13,16 e 20:

a) Ele está presente entre os candeeiros (as Igrejas) v.12.
 Éfeso – 2.1= A o anjo da igreja em Éfeso escreve: Estas coisas diz aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro:
Anda no meio deles para ver e cuidar da sua luz.
• Por que sete candeeiros e não um só?
Cada Igreja local representa toda a Igreja universal. A Igreja local é a Igreja universal em sua expressão local (Ladd) .
• A função dos candeeiros era emitir luz na escuridão.

b) Ele tem na sua mão as sete estrelas (Os anjos das Igrejas - Pastores) v.16.
 Éfeso - 2.1 = A o anjo da igreja em Éfeso escreve: Estas coisas diz aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro:
Para é um consolo que Jesus me sustenta nas suas mãos. Por outro lado, estar nas mãos é estar vulnerável. Eu devo Lhe prestar contas e depender Dele para tudo.

c) Ele tem na boca uma espada afiada v.16.
 Pérgamo - 2.12 = Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve: Estas coisas diz aquele que tem a espada afiada de dois gumes:
A sua palavra é sempre oportuna e doutrinadora. Oportuna porque fala às necessidades do momento; e doutrinadora porque prepara e instrui as Igrejas para todos os desafios da fé.
E quando a palavra na boca dos pastores não tem unção?
• Uns são outros “nun são”.
• Quais são de fato as nossas necessidades? Só o que queremos ouvir?
• O papel da pregação é somente consolar e satisfazer?
João nos ensina em 1 João 2.27 que a unção é a própria presença do Espírito Santo na igreja, habitando os corações dos crentes. Ele nos ensina pessoalmente.
Este papel também passa por levar a Igreja a aprender sobre o que ela ainda não aprendeu a ouvir e entender. O anjo da Igreja deve anunciar-lhe todo o Conselho de Deus (At 20.27,32).
As cartas às Igrejas nos surpreendem com suas repreensões e como são diretas em apontar os sentimentos de Deus quanto aos nossos deslizes espirituais que se tornam até mesmo características da personalidade das Igrejas.
Eu me pergunto se a NOSSA IGREJA não tem nada a aprender com isso quando se assenta diante de um pastor que dia a dia PREGA O no conhecimento de Deus, de Sua Palavra e da Igreja que Ele pastoreia!?

III. JESUS LHES REVELA A SUA GLÓRIA v. 13-16 e 18:

Ouvir a Palavra de Deus é conhecer a Glória de Cristo!
A visão que João tem e que o leva ao desmaio, é uma visão da pessoa de Jesus Cristo, o Deus soberano e Todo Poderoso. Como Cristo se apresenta na visão?
a) Vestes talares e ouro.
São vestes sacerdotais e que refletem sua Dignidade.
 Ele ministra às Igrejas.
 Ele intercede pelas Igrejas.

b) Cabelos brancos e olhos de fogo.
 Tiatira - 2.18 = Ao anjo da igreja em Tiatira escreve: Estas coisas diz o Filho de Deus, que tem os olhos como chama de fogo e os pés semelhantes ao bronze polido:.
Uma comparação com Daniel 7.9. Jesus é Deus assim como o Pai é. Ele é onisciente (tem olhos que vêem tudo), enxergando tudo o que acontece com as Igrejas, o que lhe agrada e o que lhe desagrada.
 2.19 = Para Tiatira.
 19.12 = Instrumentos do seu juízo e de sua conquista.



c) Pés de bronze polido e voz de muitas águas.
 Tiatira 2.18 = Ao anjo da igreja em Tiatira escreve: Estas coisas diz o Filho de Deus, que tem os olhos como chama de fogo e os pés semelhantes ao bronze polido:
Duas expressões de sua força e poder.

d) – Na mão direita as estrelas (Sardes - 3.1).
- Na boca a espada (Pérgamo – 2.12).
 A espada é a palavra de Deus (Ef 6.17).
 A espada corta profundamente (Hb 4.12).
 A espada fere as nações impenitentes (19.15) = Sai da sua boca uma espada afiada, para com ela ferir as nações; e ele mesmo as regerá com cetro de ferro e, pessoalmente, pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso.

- No rosto, o brilho do sol.
 A glória do Cristo exaltado. Aquele que vem com as nuvens.

e) Esteve morto e agora vive.
 Esmirna – 2.8 = Ao anjo da igreja em Esmirna escreve: Estas coisas diz o primeiro e o último, que esteve morto e tornou a viver:
É aquele que carrega a vitória como selo.

f) Tem as chaves da morte e do inferno.
 Filadélfia - 3.7 = Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: Estas coisas diz o santo, o verdadeiro, aquele que tem a chave de Davi, que abre, e ninguém fechará, e que fecha, e ninguém abrirá:
 Ele pode reverter a morte em vida. A salvação e a ressurreição.
 Ele pode condenar ao inferno.

Conclusão:
Ao ver Jesus na sua glória, João cai aos seus pés como um morto (desmaia).
Adorar a Deus é algo muito sério e perigoso. Quem pode permanecer diante deste Deus santo? (I Sm 6). Ele é três vezes santo (Is 6).
“Porém, Ele pôs sobre mim a mão direita” (v.17).
Jesus levantou o seu obreiro, Ele quer se revelar a você e te levantar também.
Eu ouço de pessoas que estão caindo todos os dias em igrejas por aí, mas não como João, mas para se assegurarem de que tiveram uma experiência prazerosa com Deus. Honestamente não posso concordar que esses tombos sejam como o de João ou o de Isaías e o de Daniel.
Mas eu vejo muitos que já vêm para as igrejas caídos (devido a enormidade de seus problemas e por eles dominados) porque a proximidade de Jesus faz com caiam em sua presença e são levantados por meio da conversão que Cristo realiza neles.
Jesus levanta o seu profeta para que ele fale às Igrejas a Sua mensagem, o Evangelho. Pois o dia está próximo e as pessoas precisam se converter dos seus maus caminhos!!!
Agora é a sua vez de escutar, arrepender-se e ouvir o que Cristo tem a te dizer.
Amém...

Cantares 8.7a = Um Amor Que Não Se Afoga



Um Amor Que Não Se Afoga (Cantares 8.7a).

O Feitiço de Áquila é um filme que narra a parábola de um amor impossível por causa de um desejo irrealizável. Durante o dia o moço apaixonado é homem e a moça uma águia. À noite ela é uma linda mulher; ele, um lobo preto perigoso. Somente durante o nascer do sol quase se tocam, então a odiosa transformação ocorre e eles não podem se encontrar. Foram condenados a viverem sempre juntos, mas eternamente separados, porque tanto o lobo como a águia são animais monogâmicos. Esse era o feitiço do feiticeiro.

Muitas pessoas vivem assim no seu casamento. Fazem tudo juntos, mas não conseguem se encontrar. Quando estão prestes a se encontrar, uma vira águia bica e voa, e o outro vira lobo morde e foge.

A Bíblia pinta no livro de Cantares uma realidade diferente. Cantares celebra a dignidade e a pureza do amor humano, que chega até nós, neste mundo pecaminoso, em que a luxúria e a paixão mostram-se por toda a parte, tentando ferozmente quebrar o padrão de matrimônio dado por Deus.

Essa é a razão porque o livro não pode ser interpretado alegoricamente ou tipologicamente como se apenas representasse a relação de Cristo com sua igreja. Também não pode ser interpretado como um drama teatral do casamento, mas deve ser interpretado naturalmente; pois tudo nele escrito expressa e significa a pureza da relação de um homem com uma mulher que vivem seu casamento dentro dos padrões da aliança dada a nós por Deus e abençoada no casamento cristão.

Esse amor aprende a resistir a tudo, porque ama apaixonadamente, cheio de erotismo e paixão, sim, mas também pleno de respeito, companheirismo e amizade. Um amor que se compromete e não se vende por nada.

O ensino bíblico é claro: É possível viver um amor que não se apaga e nem se afoga. Que embora possa viver momentos de esfriamento, por Deus, pode ser despertado e crescer com isso. O verdadeiro amor conjugal alimenta uma relação crescente. I Coríntios 13 afirma sem rodeios que o amor jamais acaba. Como isso é possível?

(1) Desfaça a ilusão do estoque inesgotável sendo realista (Jo 2.2-11).
É preciso entender que o amor não é “investimento”, é doação. O amor nasce da graciosidade do coração, de um chamado interior que é tão forte como a morte (v.6) e que precisa ser cultivado carinhosamente a cada dia.

(2) Avalie suas posturas, comportamentos e sentimentos para evitar surpresas.
O que está acontecendo comigo? Quando isso começou? O silêncio, a insensatez e dissimulação são ingredientes da maior panela de pressão dentro do casamento. Se não for retirada do fogo, um dia ela explode!

(3) Consolide a amizade do casal.
Um casamento não é feito somente de erotismo e diversão. Ele é feito tal qual é construída uma casa; com muito trabalho, suor, cansaço e lágrimas. O apaixonado de Cantares chama sua amada de “Minha irmã”. Você pode dizer que sua esposa é sua melhor amiga? Você pode dizer que o seu marido é seu melhor amigo? A amizade na relação conjugal não é substituta da paixão, mas o seu mais justo sustento e complemento para aprofundar o companheirismo. Sem companheirismo o sexo não sustenta um casamento. Por outro lado, intimidade dentro do casamento é mais que amizade é cumplicidade sexual e também moral.

(4) Desenvolva a intimidade em todos os níveis.
Esta é a mensagem central de Cantares. O casamento é lugar de: Erotismo (7.1-8.4); Compromisso (8.6,7); Recato e confiança (8.8-10); Saudade e comunhão (8.13-14).

Saibam que inundações virão, mas também passarão, entretanto enquanto durarem, é preciso resisti-la juntos. Resistam juntos. Custe o que custar, mas, juntos! E Deus abençoará vocês.
Com amor, Pr. Hélio.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Apocalipse 1.1-8 = Revelação da Soberania do Senhor Jesus Cristo



Apocalipse 1.1-8

Introdução:
Tolerância é a palavra chave para explicar e entender essa virada de mais um milênio. Contudo não é uma explicação nova não. A época do Apocalipse também era uma época de tolerância.
As conquistas do Império Romano haviam estabelecido a Pax Romana, em que o Império respeitava todo e qualquer culto, desde que houvesse espaço para mais um, o culto ao Imperador (Domiciano na época de João).
O grande desafio da Igreja daquela época era manter e proclamar a exclusividade do Senhorio de Jesus Cristo diante da permissividade religiosa e moral de seu tempo.
É fácil concluir, portanto, que não é diferente em nosso tempo.
Por isso eu sei também que certamente nos identificaremos com as sete Igrejas da Ásia. Mas qual será o tipo de relação que poderemos estabelecer entre elas e nós ?
 Será uma relação de aprovação?
 Será uma relação de reprovação?
 Minha expectativa é seja uma relação de reflexão que produza temor renovado e obediência.

Proposição:
Quero abrir essas exposições de Apocalipse, pisando nos mesmos passos de João, reafirmando a Exclusividade do Senhorio de Jesus Cristo como a fonte de consolo, esperança e segurança para a Sua Igreja. Mais que um livro de assombros, Apocalipse é a revelação da soberania de Jesus Cristo sobre toda a história da humanidade.

I. APOCALIPSE É UMA REVELAÇÃO CONSOLADORA v. 1-3;

Apocalipse não é um livro sinistro, povoado de dragões, bestas e anjos em guerra lá pelo tempo do fim, mas é uma mensagem de fortalecimento e bem-aventurança para aquele que conhece a salvação realizada por Jesus Cristo na Cruz e aguarda a sua gloriosa volta prometida.
Os versos 1-3 expõem claramente o propósito do livro:

1. Mostrar as coisas que em breve devem acontecer.
João fala em “perspectiva profética”. O futuro que pode ser ou não distante é
trazido para perto, como um eco daquilo que está acontecendo ou está prestes a acontecer. A frase é emprestada de Dn 2.28, quando Daniel revela o sonho do rei Nabucodonosor.
A Igreja não conhece e nem domina o futuro. Essa ênfase renovada de calcular as datas da volta de Cristo não é algo que domina a mente dos apóstolos, porque sabiam que os tempos e as épocas pertencem à exclusiva autoridade de Deus (At 1.7) e que também eles deveriam vigiar justamente porque não sabiam os tempos e as épocas.

2. Animar e abençoar quem lê, ouve e guarda as suas palavras.
Há uma promessa clara. As palavras reveladas de Jesus Cristo não trariam medo ou confusão, mas bem-aventurança. Elas não são apenas revelações para o futuro, mas segurança e esperança já no presente.
Quem guarda a Palavra que é lida publicamente no culto se expõe à benção de Deus, quem se recusa a comparecer para ouvir, perde no mínimo a benção de Deus.
 Lc11.28: “Bem-aventurados são os que ouvem a Palavra e a guardam”.
Há sete Bem-aventuranças no livro de Apocalipse:
a. 1.3 – Para aqueles que lêem, ouvem e guardam a Palavra.
b. 14.13 – Para aqueles que morrem no Senhor. “As suas obras os acompanham”.
c. 16.15 – Para aquele que vigia e guarda as suas vestes.
d. 19.9 – Para aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro.
e. 20.6 – Para aquele que tem parte na primeira ressurreição.
f. 22.7 – Para aquele que guarda as palavras da profecia desse livro.
g. 22.14 – Para aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro.

3. Anunciar que o fim está próximo.
A esperança cristã não muda com a mudança dos tempos, dos séculos e dos milênios. O tempo está próximo. Esta frase tem por objetivo levar os ouvintes e leitores ao arrependimento.
 Mt 3.2 – “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus”.
 Mc 1.15 – “O tempo está cumprido, e o Reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no Evangelho”.
 At 2. 38 – “Arrependei-vos e cada um seja batizado”.

II. APOCALIPSE É UMA REVELAÇÃO DO SENHOR JESUS CRISTO v.4-8:

Apocalipse proclama o Senhorio de Jesus Cristo, que independente e superior a César e a qualquer outra pessoa ou “coisa” que possa querer se levantar entre nós e Cristo desejando tomar o seu lugar.
Quem é o Cristo que se revela no Apocalipse?

1. Ele é a Fiel Testemunha v.5.
 Laodicéia – 3.14.
Ele vê todas as coisas e o que Ele vê, relata com precisão. Ele atesta a Sua Palavra revelada a João e aos outros escritores da Bíblia. Ele atesta a Sua obra de redenção levantando diante dos nossos olhos os sinais dos cravos em suas mãos e pés, bem como o furo da lança em seu lado. Ele não quer que sejamos incrédulos, mas crentes!!!

2. Ele é o Primogênito dos mortos v.5:
 Esmirna – 2.8 (o que esteve morto e tornou a viver).
Ele é a primícia da ressurreição (I Co 15.20). É por causa da sua ressurreição que aguardamos a nossa (Sl 16.10). É sua ressurreição que nos dá a coragem de não fugir ao compromisso do testemunho diante dos homens, pois assim como a morte injusta não o pôde reter, também não poderá nos reter longe dele por muito tempo, aleluia!!!

3. Ele é o Soberano dos reis da terra v.5:
Nada foge ao seu controle soberano. Nada sucede a nós sem que antes seja autorizado por Ele. Tudo está em suas mãos, e nossos olhos estão fitos nela para a nossa providência e segurança. Os reis da terra podem exigir adoração (Domiciano exigia ser aclamado “Senhor e Deus”), mas o cristão só se curva ante a face do Deus verdadeiro de toda a terra!!!

4. Ele é Aquele que nos ama v.5:
É um amor presente e constante, que não acaba nunca. Ele nos ama constantemente e eternamente. Amor que consiste no amor primeiro de Deus por nós (I Jo 4.10); gracioso, de preço inigualável, que trouxe Jesus cristo à Cruz!!!

5. Ele é Aquele que nos libertou dos nossos pecados pelo seu sangue v.5:
 Esmirna - 2.8.
Uma versão inglesa mais antiga traduz: “Ele nos lavou dos nossos pecados”.
O seu sangue nos trouxe para perto de Deus (Ef 2.13). Ele nos tirou da lama, e agora tira a lama de nós!!! A salvação é uma obra concretizada, consumada na Cruz! O Amor de Deus é provado na morte de Cristo na Cruz por nós (Rm 5.8). Ele nos libertou definitivamente do império das trevas e nos transportou para o lugar seguro do reino do Filho do seu amor (Cl 1.13)

6. Ele é Aquele que nos constituiu reino e sacerdotes para o seu Deus v.5:
Ele nos deu uma nova identidade, que é redimida, lavada, restaurada para a glória de Deus, que pertence ao seu domínio, que constituiu de uma identidade ministradora, que vive para os outros e não mais em-si-mesmada nos seus ideais de perdição. Somos reino porque Deus reina sobre nós, e porque reinaremos com Ele por toda a eternidade!!! Aleluia! Somos sacerdotes porque ministramos uns aos outros por meio de Cristo que é o único mediador. Porque participamos de seu sofrimento pelas nações por meio da intercessão e da pregação do Evangelho!
Vivemos para Deus.
Vivemos para o nosso Pai.

7. Ele é Aquele que vem com as nuvens v.7:
 Laodicéia – 3.14 (O Amém).
Mateus 24.30 nos que Ele virá entre as nuvens com poder e muita glória.
Quatro fatos incontestáveis estarão ligados à sua volta:
 Todo olho o verá.
Ninguém será privado da manifestação de sua glória.
 Até os que o transpassaram.
A ressurreição trará à vida todas as pessoas de todas as épocas e de todos os lugares. Judas e os sacerdotes de sua época (Anás e Caifás) estarão lá. Pilatos estará lá olhando para as mãos que ele lavou. Domiciano e Diocleciano estarão lá, empunhando suas espadas que sujaram com o sangue de cristãos inocentes. Todos os Papas que se declararam Vigários de Cristo, que declararam dogmas falsos, e depois se curvavam diante de uma imagem de qualquer santo que seja estarão lá. Os Beatles, que se diziam mais famosos que Jesus Cristo estarão lá. O Rev. Moon, o “senhor do segundo advento, que disse ter mais poder que Jesus, porque sofreu três anos preso numa cadeia da Coréia estará lá. Você e eu estaremos lá e nossos olhos testemunharão um acontecimento único, muito maior que a passagem do cometa Halley ou um eclipse total do sol. O Rei Jesus estará retornando e todos, sem exceção, se curvarão diante do Rei e declararão, por alegria ou por derrota:
Jesus Cristo é o Senhor!!!
 Todas as tribos da terra se lamentarão sobre Ele.
Não porque se arrependerão de sua rejeição a Cristo. Mas porque sua atitude não terá mais retorno e o juízo de Deus será derramado sobre eles definitivamente. Rejeitaram a graça de Deus que lhes fora anunciada gratuitamente no Evangelho, agora se fechou a porta, e Deus cobrará deles a sua justiça.
 Certamente, Amém.
“Com absoluta certeza, assim será”. Quem duvidar pagará o preço de sua incredulidade. Quem crer, colherá os frutos de sua fé.

8. Ele é o Alfa e o Ômega v.8:
 Esmirna – 2.8 ( O primeiro e o último).
A primeira e a última letra do alfabeto grego. Tudo está entre as suas mãos.
As conchas de suas mãos abarcam todas as coisas e as controla.
 Aquele que é. O presente é constante para Ele. O tempo não pode limitá-lo como nos limita.
 Aquele que era. Ele está presente em toda a história, pois a dirige a um desfeche que Ele mesmo programou, preparou e vem realizando sistematicamente por toda a história do homem na terra.
 Aquele que há de vir. Nós nos encontraremos com ele. Poderemos nos alegrar com isso (Jo 16.22) ou nos afastar envergonhados na sua vinda (I Jo 2.28). Mas Ele está vindo. Ele há de vir!!!

9. Ele é o Todo Poderoso v.8:
Ele é o governador de tudo! Tudo está sob o seu controle!
Ele é o Pantokrator – O Pantokrator!

Conclusão:
Apocalipse é para nós:
1¬º. Um convite à adoração e louvor a Cristo v.5.
É o livro mais cheio de cânticos da Bíblia depois dos Salmos. O v.5 é somente o primeiro deles. A cada evento da revelação vitoriosa de Cristo há um cântico de louvor e adoração ao Seu nome. Somos convocados a aprendê-los para cantarmos para a glória de Cristo, no presente em nossos cultos e na eternidade com ele.

2º Um convite ao temor v.6,7.
“Certamente, amém”. “A Ele seja a glória pelos séculos dos séculos. Amém”.
Será que você não teme por sua vida e de seus familiares? Será que não fará nada a respeito? Será que você não vai se aproximar de Deus por meio de Cristo enquanto há tempo e reconciliar-se com Ele pedindo perdão pelos seus muitos pecados para não ser tomado pelos acontecimentos daquele dia!? Apocalipse é um convite para que o temor de Deus entre definitivamente em seu coração e te livre da perdição eterna e te dê a paz eterna com Deus e a vida!

3º Um convite à Esperança v.4,8.
Quando tudo acabar eu verei o Rei. Os mansos por fim herdarão a terra e se deleitarão em abundância de paz.
Eu não sei quanto a você, mas eu quero estar lá. Eu quero ver Jesus e estar com Ele onde Ele estiver, para sempre. Eu sei que o verei, e que a minha tristeza será tirada de vez e a sua alegria em mim reinará para sempre. Amém.


Até que um Dia.

Sei que algum dia terei de partir ,
E essa alegria vai Ter que acabar.
Mas alegria maior que a daqui,
Tenho certeza, Jesus vai me dar.

E com Ele, então vou viver,
E um cântico novo cantar.
Lá esperarei por você,
Até que um dia...
Você venha com a gente morar.
E as tristezas da vida esquecer,.
E em nosso jardim reinará...
Alegria, alegria,
Alegria...

Presença

Hélio O. Silva
07/06/2010



Presença

Tu estás aqui;
Não porque nós cremos.
Não porque nós a sentimos.
Mas porque tu estás.
E penetras as nossas almas
Porque tu habitas em nós.

Tu estás aqui
E anda entre nós.
Ainda que não se veja
És a presença que não se esconde.
Tua presença nos ilumina.
Tua graça nos envolve.

Tu estás aqui
Estás assentado acima dos querubins
Revestido de glória
Assentado no trono de graça, justiça e amor.
Tua presença é tudo que temos.
Tua presença é a verdade que vivemos.

Tu estás aqui.
Esta casa é tua
Os convidados somos nós.
Por isso nos encurvamos
Adoramos o Senhor.
Bendizemos nosso redentor.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...