O Bom pastor e seus comentários

O Bom pastor e seus comentários

sábado, 19 de novembro de 2011

Aula 27 - Natureza e Conteúdo do Pacto da Graça


Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia-GO
Classe de Doutrina II – Quem é o Homem Para Que Dele Te Lembres?
Professores: Pr. Hélio O. Silva e Presb. Baltazar M. Morais Jr.
-----------------------------------------------------------------------------------
Aula 27 = Natureza e Conteúdo do Pacto da Graça (20/11/2011).
-----------------------------------------------------------------------------------

I. Comparação da Aliança da Graça com a Aliança das Obras.
1) PONTOS DE SEMELHANÇA.
As duas alianças concordam quanto
(a) ao autor: Deus é o autor de ambas; somente Ele poderia estabelecer tais alianças;
(b) às partes contratantes que, em ambos os casos, são Deus e o homem;
(c) à forma externa, a saber, a condição e promessa;
(d) ao conteúdo da promessa que, nos dois casos, é a vida eterna; e
(e) ao objetivo geral, que é a glória de Deus.

2) PONTOS DE DIFERENÇA.


II. As Partes Contratantes.
Como na aliança da obras, na aliança da graça Deus é a primeira parte contratante, a parte que toma a iniciativa, e por Sua graça determina a relação que a segunda parte manterá com Ele. Contudo, Ele comparece nesta aliança não apenas como um Deus soberano e bondoso, mas também, e especialmente, como um Pai misericordioso e perdoador, disposto a perdoar o pecado e a restaurar os pecadores à Sua bem-aventurada comunhão.

Deus entrou em relação pactual com os eleitos ou com o pecador eleito em Cristo. Bullinger afirma que “a aliança de Deus inclui a semente completa de Abraão, isto é, os crentes”. Isso está em harmonia com a interpretação que Paulo faz de “semente” em Gl 3.16,19,29. Oleviano, co-autor com Ursino do catecismo de Heidelberg, assevera que Deus estabeleceu a aliança com “todos os que Deus, da multidão de perdidos decretou adotar pela graça como filhos, e dotar de fé”.

A idéia de que a aliança só é realizada plenamente nos eleitos é uma idéia perfeitamente bíblica (Jr 31. 31-34; Hb 8.8-12). Além disso, ela está em plena harmonia com a relação da aliança da graça com a aliança da redenção. Se nesta Cristo é Fiador somente para os eleitos, então a substância real da primeira se limita necessariamente a eles também. A escritura salienta vigorosamente o fato de que a aliança da graça, em distinção da aliança das obras, é uma aliança inviolável, na qual as promessas de Deus sempre são cumpridas (Is 54.10). isto não pode ser planejado condicionalmente pois, neste caso, não seria uma característica especial da aliança da graça, mas se aplicaria à aliança das obras também. Todavia, precisamente este é um dos pontos mais importantes em que aquela difere desta, que não depende da incerta obediência do homem, mas unicamente da absoluta fidelidade de Deus. As promessas da aliança serão cumpridas com certeza, mas somente nas vidas dos eleitos.

Pode-se definir a aliança da graça como o acordo feito, com base na graça, entre o Deus ofendido e o pecador ofensor, porém eleito, no qual Deus promete a salvação mediante a fé em Cristo, e o pecador a aceita confiantemente, prometendo uma vida de fé e obediência.

III. O Conteúdo da Aliança da Graça.
Todo pacto tem dois lados; oferece certos privilégios e impõe certas obrigações. Há nele promessas e exigências.
1. AS PROMESSAS DE DEUS.
A principal promessa de Deus, que inclui todas as outras promessas, está contida nas seguintes palavras, freqüentemente repetidas: “serei Deus para ti e para a tua semente, depois de ti”, Gn 17.7. Encontra-se esta promessa em várias passagens do Velho e do Novo Testamentos que falam da introdução de uma nova fase da vida pactual, ou se referem a uma renovação da aliança, Jr 31.33; 32.38-40; Ez 34.23-25, 30, 31; 36.25-28; 37.26,27; 2 Co 6.16-18; Hb 8.10. A promessa será cumprida plenamente quando, afinal, quando a nova Jerusalém descer do céu, da parte de Deus e o tabernáculo de Deus for montado entre os homens (Ap 21.3).
Esta única promessa realmente inclui todas as outras promessas, tais como: (a) a promessa de diversas bênçãos temporais, que muitas vezes servem para simbolizar as de natureza espiritual; (b) a promessa de jurisdição, incluindo a adoção de filhos e o direito à vida eterna; (c) a promessa do Espírito de Deus para a plena e livre aplicação da obra de redenção e de todas as bênçãos da salvação; e (d) a promessa de glorificação final numa vida que jamais terá fim (Jó 19.25-27; Sl 16.11; 73.24-26; Is 43.25; Jr 31.33, 34; Ez 36.27; Dn 12.2, 3; Gl 4.5, 6; Tt 3.7; Hb 11.7; Tg 2.5).

2. A RESPOSTA FAVORÁVEL DO HOMEM.
As obrigações ou exigências do pacto não têm caráter meritório porque o próprio pacto é fruto da graça de Deus. O homem nada merece por satisfazer as exigências do pacto uma vez que todas as exigências do pacto são supridas pelas promessas de Deus, ou seja, Deus promete dar ao homem tudo o que dele exige.
Naturalmente, o assentimento ou resposta favorável do homem a essas promessas de Deus aparece em várias formas:
(a) Em geral, a relação entre a aliança de Deus e o crente individual ou os crentes coletivamente considerados, é representada pela íntima relação de noivo e noiva, esposo e esposa, pai e filhos. Isto implica em um amor verdadeiro, fiel, confiante, consagrado e devotado a Deus.
(b) À promessa geral, “Eu serei o teu Deus”, o homem responde dizendo, “pertencerei ao Teu povo”.
(c) E à promessa de justificação para perdão de pecados, a adoção de filhos e a vida eterna, ele responde com a fé salvadora em Jesus Cristo, com a confiança depositada nele para o tempo e a eternidade, vivendo em uma nova obediência e consagração a Deus.

-------------------
Bibliografia: Louis Berkhof. Teologia Sistemática. ECC, p. 268-273. / Louis Berkhof, Manual de Doutrina Cristã, CEIBEL, p. 156.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...