O Bom pastor e seus comentários

O Bom pastor e seus comentários

domingo, 1 de outubro de 2017

Os Caminhos Para Goiás

1965 - Viação Férrea Centro Oeste

Os Caminhos Para Goiás

A inserção definitiva do protestantismo em Goiás seguiu o processo modernizador possibilitado pela construção das estradas de ferro na região centro-sul do estado indo na direção centro-oeste do mesmo,[1] voltando-se posteriormente para o norte goiano e Tocantins.

No final do século XIX haviam apenas três caminhos para Goiás:
1. Via ferroviária Mojiana sentido São Paulo-Goiás. Era a rota primitiva dos descobridores e menos percorrida em virtude de fiscalização mais rígida.

2. A rota-mineira ou via-Paracatu. Era a mais usada pois facilitava a comunicação direta com o Rio de Janeiro. Entrava em Goiás pelas gargantas do divisor de águas do São Francisco e Tocantins via São Marcos e Arrependidos.

3. Via baiana. Entrava em Goiás pelo mesmo caminho da anterior, todavia mais ao norte, oriunda do encontro da bifurcação de dois caminhos para o Piauí e um para a Bahia conectando-se com a estrada de Paracatu.

A partir de 1910 aconteceu a ocupação do sul do Estado, possibilitado pela construção dos primeiros trechos da ferrovia. Na década de 1930 ocorreu um novo ciclo de ocupação com a construção de Goiânia (1933) e a chegada da ferrovia a Anápolis (1935), favorecendo a ocupação da região central do Estado, o chamado Mato Grosso de Goiás. Na década de 1940 ocorreu um novo impulso colonizador com a instalação da CANG (Colônia Agrícola Nacional de Goiás) na cidade de Ceres e a abertura de estradas de rodagem rumo ao norte do Estado, como a Rodovia Belém-Brasília (BR 153).

Em dezembro de 1943 foram iniciadas as obras da Belém-Brasília, que deveria ligar Anápolis à Colônia Agrícola (Ceres), às matas do Vale do São Patrício, indo até Sant’Ana (Uruaçu) e por fim, até Carolina, no Maranhão, onde havia uma balsa para atravessar o Rio Tocantins.

Nesse período, a população goiana aumentou significativamente; 61,4% entre 1920-1940 e 57,6% entre 1950-1960.[2] No caso de Anápolis, “só a possibilidade de a Estrada de Ferro Goiás prolongar-se até a cidade já atraía as pessoas, inclusive os protestantes, pois a ferrovia significaria para a cidade o desenvolvimento.” Foi assim que o Dr. James Fanstone acabou se fixando nessa cidade em 1924. Segundo Sandra Abreu, “O capitalismo trouxe a estrada de ferro e, por ela, chegou grande parte dos protestantes.”[3]

Em Goiás, a marcha para o oeste ganhou o tom de uma cruzada pela brasilidade a partir do Congresso de Brasilidade, realizado em Goiânia em 10-19/11/1941, para discutir os problemas da atualidade brasileira e divulgar o programa do Estado Novo para a ocupação do restante de Goiás para além de Jaraguá e realizar a integração nacional.[4]

A Missão Oeste do Brasil (WBM), que era sediada em Campinas, foi a única, dentre as Missões norte americanas, a se movimentar pelas regiões do Brasil seguindo para o oeste, estrategicamente seguia os pontos terminais das estradas de ferro mais importantes que penetravam no interior do Brasil. Deslocando-se de São Paulo a partir de Campinas, daí para Minas Gerais: Triângulo Mineiro (1890), Alto Paranaíba (1930), região de Goiânia (1930), Vale do São Patrício (1940), Noroeste Mineiro (1950) e médio Norte Goiano e Tocantins (1950). A partir do Noroeste Mineiro (Araguari) fundou igrejas e escolas em Brasília, interior do estado de Goiás, atual estado do Tocantins indo até o Pará acompanhando a BR Belém- Brasília e na maioria dos casos, antes dela.[5]




[1] Ordália, Ibid, p.88.
[2] Sandro Dutra e Silva. Os Estigmatizados: Distinções Urbanas às Margens do Rio das Almas em Goiás (1941-1959). Tese de Doutorado apresentada à UNB-Brasília, 2008, p. 53.
[3] Abreu SEA de, 2000. Faculdade de Filosofia “BERNARDO SAYÃO”: Fundação e História. Número 05/06 – Janeiro / Dezembro, p. 3.
[4] Ibid, p.58.
[5] Viviane Ribeiro e Cristiane Silva Costa. Métodos de Alfabetização das Escolas paroquiais Presbiterianas: escola Simonton, Unaí-Minas Gerais (1956-1976). Instituto de Ensino Superior Cenecista – INESC, p.4.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...