O Bom pastor e seus comentários

O Bom pastor e seus comentários

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Atos 5 = O Que é Meu?


®   Atos 5: O que é meu?

Atos 5 começa em 4.32. A doação do Espírito Santo produz tanto intrepidez na pregação como também generosidade no coração. A fé não era imposta por uma pregação agressiva e violenta, mas conquistava o coração pelo comportamento altruísta motivado pela gratidão a Deus. Por essa razão, dentro da igreja deve haver desprendimento do materialismo secular para nos ocuparmos do serviço de Deus e cuidarmos uns dos outros. Essa liberalidade não foi imposta, mas acontecia voluntariamente: “Ninguém considerava exclusivamente sua nenhuma das coisas que possuía” (4.32). Bondade voluntária é o mesmo princípio ensinado por Paulo a Filemom no caso da alforria de Onésimo da escravidão (Fm 14). O consumismo nos escraviza impondo o conceito do apego exagerado às coisas e aos bens; o cristianismo nos liberta propondo a prática de uma bondade agradecida e de um desapego generoso para servir aos outros por amor a Deus. Consumismo e bondade não combinam no cristianismo. O primeiro impõe a cobiça do egoísmo; o segundo propõe o desapego pelo amor altruísta.

A doação de Barnabé é um exemplo positivo disso; enquanto que o caso de Ananias e Safira é um exemplo do risco que se corre de mentir sobre isso. Na vida cristã existirão “entretantos” (5.1) que precisarão receber disciplina; não por causa da obrigatoriedade, mas por causa da hipocrisia mentirosa (5.4). A disciplina é um expediente da vida interna da igreja para manter a pureza de sua consagração; a transparência de suas intenções e a honestidade de suas ações.

Lucas chama a nossa atenção ao fato de que pecados não acontecem somente inadvertidamente, pois alguns deles são planejados minunciosamente. Foi o que fez esse casal; planejou mentir e se dar bem quanto ao seu status dentro da igreja. Não pode ser assim. Não podemos permitir que se instale no seio da igreja o mesmo tipo de inveja que motiva os inimigos de Deus a agirem contra o evangelho que a igreja prega (5.17). A instrução de Deus é que a igreja persevere na sua tarefa de anunciar “as palavras desta Vida” sem arredar o pé (5.20) sem deixar de cuidar dos que precisam de socorro.

Tudo é de Deus e nosso deve ser o arrependimento e a remissão dos pecados pela concessão de Deus em Cristo (5.31). Não podemos agregar qualquer tipo de status possuído ou pretendido à nossa consagração, pois ao fazê-lo podemos perder o rumo da história e sermos encontrados lutando contra Deus (5.39), que é quem realmente governa todas as coisas. Nossa verdadeira alegria é viver, ensinar e pregar a Cristo sem medo das afrontas ao seu nome (5.42).

No final das contas, o que é meu, então? Tudo que tenho é estrategicamente meu e nada do que tenho é exclusivamente meu; tudo é de Deus, mas eu posso usar e também desfrutar. Posso usar criteriosamente, a fim de poder socorrer o próximo, o irmão, quando ele precisar. Todavia, essa é uma consciência que só aprenderemos se conhecermos a graça de Jesus Cristo, que sendo rico, se fez pobre por amor de nós, para que pela sua pobreza, nós nos tornássemos ricos (2 Co 8.9).


                                                                                  Com amor, Pr. Helio.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...