O Bom pastor e seus comentários

O Bom pastor e seus comentários

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

O Conhecimento Bíblico e a Experiência de Deus (Mateus 22.29)



O Conhecimento Bíblico e a Experiência de Deus 
                               (Mateus 22.29)

         
           PRESUMIMOS de forma vaidosa e dissimulada que porque conhecemos algo sobre o Espírito Santo já sabemos tudo sobre ele. Precisamos reconhecer que da mesma forma que o conhecimento teórico pode exceder a experiência pessoal, também a experiência pessoal pode exceder o conhecimento.

Os discípulos de Cristo frequentemente não entendiam adequadamente as coisas espirituais e Cristo precisava corrigi-los. Mesmo assim Cristo transformou as suas vidas como nunca haviam imaginado ou previsto. Isso porque o amavam, confiavam nele, queriam aprender dele e honestamente queriam obedecê-lo.

Eles foram transformados por Jesus, mas a compreensão do que aconteceu a eles veio depois. Na vida cristã percebemos que Deus primeiro nos abençoa e depois exige obediência aos seus mandamentos. Não temos de obedecer primeiro para sermos salvos depois; somos salvos primeiro e instados a obedecer depois. Na lógica do reino descansamos primeiro (domingo) e trabalhamos depois (6 dias). A graça de Deus supera nosso conhecimento e percepções a respeito dele e de sua vontade.

         Onde estaríamos todos nós se Deus exigisse conhecimento correto de sua palavra antes de nos abençoar? Cada cristão, sem exceção, experimenta muito mais em termos de misericórdia e ajuda do que lhe garante a qualidade de suas idéias. Da mesma forma, entretanto, apreciaríamos muito mais a obra do Espírito e evitaríamos muitos perigos e erros espirituais se nossos pensamentos e concepções sobre o Espírito Santo fossem mais claros e instruídos pela verdade revelada nas Escrituras.

Ao conhecermos o Espírito Santo na conversão e entrarmos na sua dinâmica caminhada, entramos em contato com pelo menos cinco novas experiências espirituais nas quais devemos nos exercitar:

(1) Poder. O papel do Espírito é nos capacitar para fazer a vontade de Deus. A ênfase é colocada na doação sobrenatural de poder espiritual.

(2) Desempenho. O papel do Espírito é nos equipar para o desempenho de tarefas espirituais que cumprem a vontade de Deus. A ênfase é colocada no ministério de dons espirituais por parte dos cristãos a fim de servir uns aos outros.

(3) Pureza. O papel do Espírito é purificar e limpar os cristãos da contaminação e poluição do pecado, capacitando-os a resistir à tentação e fazer o que é certo. A ênfase é colocada na santidade que o Espírito transmite ao coração dos cristãos.

(4) Apresentação. O papel do Espírito é dar aos cristãos discernimento espiritual para perceberem as coisas concernentes à revelação de Deus em Cristo e nas escrituras e aplicá-las ao que acontece ao seu redor. A ênfase é colocada no discernimento espiritual como obra do Espírito.


(5) Presença: O Espírito é o agente mediador da presença de Cristo em nós e seu papel é tornar Cristo glorioso para nós cotidianamente. A ênfase é colocada no incremento da comunhão com Cristo por meio do Espírito, colocando todos os anteriores como elementos periféricos, ainda que importantes, da implementação de nossa relação pessoal com Deus. 

Com amor, Pr. Helio.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...