O Bom pastor e seus comentários

O Bom pastor e seus comentários

quarta-feira, 23 de março de 2016

A Nação Em Perigo! (Sofonias 3.4,5)


A Nação em Perigo (Sofonias 3.4,5)

Nesses últimos dias nosso país vive a agitação da descoberta de mais algumas manobras de corrupção que sujam as mãos do governo federal. Vivemos atônitos, mais uma vez, pelas revelações e declarações de corruptos e corruptores na TV. Não bastassem as corrupções do governo, entristece-nos as corrupções dentro e fora das igrejas. Escândalos de pastores que fazem do luxo seu objetivo de vida, camuflando isso numa teologia de prosperidade que ama o mundo mais que a Deus! As coisas não eram diferentes no tempo de Sofonias. Perguntamos: Onde isso vai dar? Será que a corrupção que nos enforca e sufoca nunca vai diminuir em nosso país? Nossa nação está em perigo porque muitos tem se desviado de Deus (v.1,2), e o mal exemplo vem de nossos líderes (v.4,5):

Os príncipes são leões rugidores no meio dela. Eles rugem para nos amedrontar como presa e deixar-nos sem ação na hora do golpe final. Nossos líderes políticos usam de suas tribunas para proclamar seu poder autocrático e intimidar a voz da justiça. Em vez de guiar e proteger o povo, nossos líderes nos devoram em busca de lucro pessoal.

Os juizes são lobos do cair da noite. “Eles não deixam ossos para serem roídos no dia seguinte”. Os juízes são responsáveis pela interpretação e aplicação justa da lei civil. Pergunto-me se as batalhas judiciais que temos visto e que vivemos, arrastadas por anos, têm servido para alimentar a fome de quem?

Os profetas são levianos e os sacerdotes profanadores da Lei. Profetas e sacerdotes representam o poder religioso. Eram os mestres da lei e os proclamadores da vontade de Deus ao povo. Os profetas são “homens pérfidos”. Perfídia é deslealdade e infidelidade; é falsidade e traição para com aquilo que se prometeu zelar. Eles traíram a própria palavra de Deus! Eles deveriam anunciar e ensinar a vontade Deus ao povo, mas ao invés disso, movidos por avareza, anunciavam suas próprias visões fazendo comércio de nós (2 Pe 2.3).

Quando a liderança está contaminada a nação está em perigo. Se a igreja não produz reserva moral suficiente para conter o avanço da imoralidade e rebeldia das pessoas, então o seu sal perdeu o sabor, para mais nada presta. Deus a lançará fora para ser pisada pelos homens e receber o castigo junto com eles. Atolada em pecados mundanos, o que a igreja poderá dizer ao mundo quanto à santidade e justiça de Deus? O que vamos fazer? É preciso acordar e dar o sinal, porque se as coisas não pararem, a mão soberana de Deus vai nos punir com rigor, e todos nós sofreremos as consequências! (1 Pe 4.17).

Ser sóbrios e vigilantes (1 Pe 5.8). Nosso caminho não deve ser nem o do desespero e nem o da desesperança. A sobriedade nos dá condição de examinarmos os acontecimentos e agirmos com equilíbrio cristão. Vigiar é orar, todos nós sabemos disso. Ir ao Facebook e destilar veneno não cristão contra os políticos não abençoa ninguém (Rm 13.1-7).

Buscar e praticar a justiça de Deus (v.5). A mídia mostra escancaradamente o caminho da corrupção. Toda grande corrupção se sustenta e se alimenta de pequenas corrupções. Precisamos ser mais justos do que temos sido para sermos sal e luz para o Brasil!


Arrependermo-nos de nossas próprias injustiças e pecados (V.6,7). Então, devemos depositar todas as nossas próprias corrupções pecaminosas, e com vergonha, confessá-las a Deus para que nos cure delas (2 Cr 7.14). 
                                                                                    
                                                                        Com amor, Pr. Helio.

(Publicada no Boletim da Igreja Presbiteriana Jardim Goiás - 27/03/2016).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...