O Bom pastor e seus comentários

O Bom pastor e seus comentários

sábado, 9 de março de 2013

Dízimo: Respostas a Dúvidas e Acusações



Cara irmã A.L:

Agradeço o envio do video sobre o dízimo.

No entanto, o palestrante do vídeo levantou várias perguntas acusatórias às quais não deu resposta alguma e depois passou a acusar o recebimento de dízimos como prática mentirosa e digna do juízo divino. Ele nem sequer abriu a Bíblia para responder às perguntas que fez!

A pergunta que faço é a seguinte. Se a Bíblia é composta de Antigo e Novo Testamento, qual a verdadeira relação entre os dois? O Novo Testamento é mais inspirado que o Antigo? O Antigo Testamento é menos Palavra de Deus que o Novo Testamento?
Onde que no Novo Testamento foi abolida a prática de dizimar? Jesus não a proibiu em Mateus 23.23 e nem o autor de Hebreus em Hebreus 7.1-3.

Nós calvinistas ensinamos que há uma relação de continuidade e descontinuidade entre o Novo Testamento e o Antigo. Cremos que o Antigo Testamento continua cumprindo o seu papel de guia para a santidade cristã. O princípio da contribuição financeira de acordo com a renda é permanente e santificado por Deus na Bíblia toda (1 Coríntios 16.1ss.; 2 Coríntios 8 e 9) e a prática de dizimar não a fere em momento algum, antes, pelo contrário, a confirma.

Os dízimos no Antigo Testamento e as ofertas do Novo Testamento serviam a pelo menos 4 propósitos claros: 
(1) O sustento dos levitas e sacerdotes (Nm 18.21-24; Dt 14.27). 
(2) Era usado para auxílio aos necessitados (Dt 14.28-29). 
(3) Fazia parte da celebração de uma refeição pelas famílias do povo de Deus, cujo objetivo era ensinar o temor de Deus (Dt 14.22,23). 
(4) A manutenção da casa de Deus (Ml 3.10) tais como reformas, limpeza, reposição de peças e ornamentos etc.

A igreja sempre recebeu dízimos e ofertas e em alguns momentos a prática foi abandonada mais por causa de apostasia da igreja do que por causa de o ensino ser errado. Isso acontecia também frequentemente no Antigo Testamento. Ezequias e Josias tiveram de restaurar a prática da entrega dos dízimos e das ofertas do templo porque os reis impios de Judá e Israel as haviam abandonado e proibido (2 Cr^nicas 31). O mesmo fez Neemias quando Judá retornou do exílio babilônico (Ne 10). Os rabinos do período interbíblico se queixavam frequentemente da infidelidade do povo de Israel quanto a entrega dos dízimos.

A entrega de dízimos no Antigo Testamento obedecia ao calendário das colheitas agrícolas de Israel e da reprodução dos rebanhos, porque Israel era uma nação de pastores, artesãos e pequenos produtores rurais. Não haviam médicos de profissão; nem enfermeiros, nem desportistas, advogados, empresários, nem aplicadores na bolsa de valores; nem diaristas; nem telefonistas, nem palestrantes de marketing; nem técnicos de informática, professores; diretores etc, etc. Cada um destes percebe sua renda de forma diferente. O sistema financeiro mudou completamente daquela época para o nosso tempo. 

Todavia, os princíios de contribuição bíblicos continuam os mesmos e válidos: Contribuir de acordo com a renda, de acordo com a forma dos recebimentos pessoais. A prática do dízimo não fere esse princípio e goza de promessas divinas ligadas à sua prática. O que fere esse princípio são as práticas das ofertas como moeda de troca com Deus para receber curas e milagres. A IPB, igreja na qual sou pastor nunca adotou nem segue essa prática. Os pastores que ensinam as práticas mercantis do neopentecostalismo, quando denunciados formalmente são disciplinados.

Ao dispor, amém.
abs

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...